Arquitetos paisagistas - Curitiba: Encontre os profissionais ideais | homify

1538 Arquitetos paisagistas em Curitiba

Le Jardin Arquitectura Paisagística
Desde 1988 a Arquiteta Paisagista Alessandra de Carvalho busca em seus projetos as melhores soluções para áreas externas
Folha Paisagismo
Desde 2007 a Folha Paisagismo cria, executa e mantém jardins exclusivos e diferenciados de acordo com o perfil e expectativa
Laura Mourão Arquitetura da Paisagem
Profissional com atuação nas áreas de Ecologia e Paisagismo, formada pela Universidade Federal de Minas Gerais em bacharelado
Landscape Paisagismo
Somos um escritório especializado em projetos de arquitetura de exteriores com foco no paisagismo. Buscamos criar espaços
Mera Arquitetura Paisagistica
Sob o comando dos arquitetos Beatriz e Eduardo Fernandez Mera, atualmente a Mera Arquitetura Paisagística é fortemente reconhecida
Quinta
Escritório de Arquitetura e Paisagismo
Aroeira Arquitetura
AROEIRA ARQUITETURA é um escritório de Arquitetura e Paisagismo, constituído em 2008, e localizado em Búzios. Seus titulares
Daniel Nunes Paisagismo
Formado em 2004 e especialista na área de paisagismo, Daniel Nunes atua em diversos segmentos, realizando projetos nas áreas
Costa Bastos ArqPaisagismo
Do paisagismo à arquitetura de interiores numa só prancheta Raphael Costa Bastos Paisagista e arquiteto de formação, criação
Bendito Verde Paisagismo
A Bendito Verde Paisagismo nasceu em 2015 com a inspiração da bióloga e paisagista Adriana Schüler. A empresa tem como objetivo
Proflora
Paisagismo de qualidade significa mais do que saber escolher plantas bonitas ou saber compô-las em "arranjos" fotogênicos
ESTÚDIO danielcruz
Somos uma equipe formada por arquitetos, Paisagista se Designers de Interiores, prontos para transformar seu sonho em realidade
Lucia Manzano
Lucia Manzano formou-se em arquitetura em 1998. Pós-graduou-se em Arquitetura Paisagística pela FAU-USP/FUPAM -, em 2005

Arquitetos paisagistas em Curitiba

Quem conhece Curitiba, a capital paranaense, certamente se encanta com a profusão de áreas verdes que ela apresenta, especialmente quando a paisagem pontua aqui e ali a beleza exótica e imponente das araucárias (que, ameaçadas, são protegidas pela legislação ambiental) e o colorido e a delicadeza dos ipês-roxos e amarelos.

Localizada no que ainda resta da Mata Atlântica, um dos biomas mais devastados do Brasil, a cidade conta com 64,5 m² de área verde por habitante – um índice cinco vezes maior que o mínimo recomendado pela Organização das Nações Unidas (ONU), que é de 12 m² por habitante.

A maioria dessas áreas verdes é composta por bosques e parques municipais que, em alguns casos, protegem parte das matas ciliares de rios locais. São cerca de 30 áreas verdes entre as quais se destacam o vasto Parque Barigui, onde simpáticas famílias de capivaras atraem os visitantes e dividem espaço com trilhas para caminhadas, pistas de bicicross e aeromodelismo, quiosques com churrasqueiras, equipamentos ao ar livre para ginástica e musculação, canchas poliesportivas, pistas exclusivas em torno do lago para bicicletas e patins, bares e restaurantes, o Museu do Automóvel de Curitiba e até um enorme centro de exposições.

Ou, então, o pequeno e aconchegante Bosque do Papa (em homenagem a João Paulo II), que fica logo atrás do moderníssimo Museu Oscar Niemeyer (MON), no qual o verde e uma reserva de cerca de 300 araucárias convivem harmoniosamente com as centenárias casas de madeira encaixada do Memorial da Imigração Polonesa.

E como deixar de fora o Jardim Botânico de Curitiba, cujo nome oficial é Jardim Botânico Francisca Richbieter, em homenagem à urbanista que foi pioneira no planejamento urbano de Curitiba? Com vários jardins, lagos, caminhos e estufas de ferro e vidro, o local tem ainda um bosque com Mata Atlântica preservada que é uma verdadeira inspiração.

A principal das estufas do Jardim Botânico apresenta três abóbadas em estilo Art Nouveau, tendo sido inspirada no Palácio de Cristal de Londres, uma obra do século XIX. Climatizada, ela mantém espécies da Mata Atlântica e, a partir do seu interior, é possível ter uma vista privilegiada do grande jardim externo em estilo francês.

Atrás dessa estufa, encontra-se o Espaço Cultural Franz Krajcberg, com exposição permanente de esculturas do artista polonês naturalizado brasileiro que, feitas com restos de árvores queimadas ou derrubadas de forma ilegal, denunciam a destruição das florestas brasileiras pelo homem.

O Jardim Botânico conta ainda com um projeto do arquiteto Abrão Assad, o Museu Botânico de Curitiba, que tem o quarto maior herbário do Pais com 400 mil itens e uma coleção de amostras de madeira e frutos, além de um centro de pesquisas da flora paranaense e brasileira. Já o Jardim das Sensações, inaugurado em 2008, abre aos visitantes um espaço delimitado por cercas vivas onde os sentidos deles – que podem estar vendados ou não – são estimulados pelo contato direto com plantas de diferentes formas, texturas e aromas, assim como com o barulho da água na cascata.

Todas essas áreas verdes que causam orgulho aos curitibanos e seduzem os visitantes têm em comum um elemento essencial: o paisagismo. Também chamado de arquitetura paisagista, o paisagismo é tanto a arte quanto a técnica que embasam o projeto, o planejamento, a gestão e a preservação de espaços livres, sejam eles urbanos ou não, e de forma a criar micro e macro-paisagens.

Seu objeto é a criação de projetos de áreas verdes que englobam tudo que interfere na paisagem externa de uma edificação, como por exemplo, no caso de um projeto residencial, uma piscina, uma churrasqueira, um quiosque, uma quadra esportiva, escadas e outros acessos, muros, pisos e caminhos, fontes e cascatas, espelhos d'água, assim como a iluminação e – é claro – a vegetação que melhor se adapta ao solo local e que melhor atende aos desejos estéticos dos moradores.   

Quais são os profissionais aptos a fazer projetos de paisagismo

O paisagismo – que também pode ser pensado como uma arquitetura da paisagem – tem nos espaços livres urbanos (públicos ou particulares) um dos seus principais campos. O paisagista ou o arquiteto paisagista tem como objetivo criar possibilidades de interação do ser humano com o ambiente que ele freqüenta ou usufrui, o que exige desses profissionais não apenas criatividade, como também sólidos conhecimentos de arte e ciência, em especial geografia, biologia, botânica, geologia, topografia, sistemas climáticos, sistemas construtivos, engenharia e muitos outros campos de saber que envolvem o conhecimento da natureza, assim como o da arquitetura.

É importante diferenciar o paisagista do arquiteto paisagista. O primeiro é um profissional que recebeu uma formação na área em cursos de nível técnico. Já o arquiteto paisagista é aquele que teve uma formação superior em arquitetura e se especializou em paisagismo, uma das áreas de atuação abertas ao arquiteto, especialmente quando se trata do paisagismo urbano. Assim como é bom lembrar que nem todo paisagista é arquiteto, o contrário também é verdade: nem todo arquiteto é paisagista – ele precisa se especializar na área.

O jardineiro, por sua vez, não se confunde nem com o paisagista nem com o arquiteto paisagista. Enquanto estes se incumbem de realizar um projeto amplo e complexo de tudo que envolve, no caso de um projeto residencial, as áreas externas de uma casa, inclusive o jardim, o jardineiro realiza apenas uma etapa desse projeto: a jardinagem, que inclui a criação física e a manutenção periódica do jardim.

Cabe a ele, a partir da orientação do paisagista ou do arquiteto paisagista, colocar a mão na massa no que se refere especificamente ao jardim: preparar e adubar a terra, os canteiros e os vasos, fazer o plantio das espécies vegetais escolhidas pelo paisagista ou pelo arquiteto paisagista (atendendo, por exemplo, parâmetros de tamanhos estabelecidos por eles que criem uma relação de harmonia entre os diferentes elementos do jardim), acompanhar a evolução das mudas, fazer a rega e a limpeza das plantas, cortar a grama, substituir mudas que não vingaram, identificar pragas e doenças nas plantas e tratá-las, e fazer a poda de arbustos, entre muitas outras atribuições. Ele também pode eventualmente se responsabilizar pela colocação de caminhos e a delimitação de canteiros com pedras.

Como contratar e quanto custa um paisagista ou arquiteto paisagista em Curitiba

O projeto de um paisagista ou arquiteto paisagista se assemelha a todas as etapas de um projeto arquitetônico. No estudo preliminar, o profissional identifica as necessidades funcionais e os desejos estéticos dos moradores em relação ao paisagismo, assim como faz um levantamento das características naturais do local e dos elementos naturais e artificiais que podem influenciar no projeto (morfologia, solo, clima, vegetação existente, edificações presentes, acessos, iluminação).

No anteprojeto, apresenta-se a proposta de layout e algumas sugestões de plantas, que são aprovadas ou corrigidas. No projeto executivo, após a aprovação do cliente, passa-se ao detalhamento do projeto, com indicação de materiais, produtos e equipamentos, como  sistemas de drenagem, irrigação e iluminação. O projeto de plantio é separado, especificando a vegetação, o porte e a quantidade de cada espécie, além de um memorial de manutenção do jardim (época de adubação, poda e tratamento correto do solo). 

O paisagista ou arquiteto paisagista também pode fazer o acompanhamento de execução do projeto, auxiliando o cliente na compra de produtos, plantas e equipamentos, assim como contatando e coordenando os profissionais das diferentes etapas de execução do projeto, como o jardineiro e o instalador do sistema de irrigação, de modo a garantir o cumprimento do cronograma. O profissional pode acompanhar cada etapa, informando o cliente sobre o andamento dela, e finalmente fazer a entrega da obra, com a apresentação de um check-list ao cliente.

É importante lembrar que o paisagismo em uma residência é um fator de valorização do imóvel, em uma taxa entre 10% e 15%. Hoje em dia, ele é considerado pelo mercado como um investimento que ajuda na negociação do imóvel na hora da venda. Por sua vez, os custos para sua realização baseiam-se em diversas variáveis: o tamanho do local a ser trabalhado, as dificuldades apresentadas pelo terreno, os objetivos de uso, os equipamentos desejados e/ou necessários e outras semelhantes.

Assim, os custos do paisagismo só podem ser determinados após o levantamento feito pelo paisagista, lembrando ainda que o trabalho desse profissional deve ocorrer simultaneamente ao do arquiteto ou engenheiro responsável no caso de construção de um imóvel.

Quanto aos custos do trabalho desse profissional, a Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas (ABAP) utiliza uma fórmula para determinar esses valores, que dependem de vários fatores. Na prática, cada caso é um caso: em Curitiba ou em qualquer outra cidade do Brasil, há escritórios de paisagismo que fazem e executam o projeto, como escritórios que só fazem o projeto, deixando ao cliente a contratação separada da execução do jardim. Já para contratar um paisagista ou um arquiteto paisagista em Curitiba, basta acessar a página desses profissionais no diretório da homify.

Buscar imagens relacionadas