Tem gatos em casa? Você precisa ver estas dicas

Marcio L Santos Marcio L Santos
Loading admin actions …

Ainda que no Brasil os cães sejam a maioria, em países como os Estados Unidos, por exemplo, os gatos superam os cães como animais de estimação mais populares. Atualmente, existem cerca de 80 milhões de gatos em terras americanas contra 66 milhões de cachorros. Aqui no Brasil, há 21 milhões de gatos domésticos contra 37 milhões de cachorros. Esse crescimento constante do número de gatos em relação a cachorros tem uma explicação bem lógica: ao contrário dos cães, os gatos são bastante independentes e acostumam-se desde cedo tanto em ambientes abertos como fechados. Como apresentam pouca variação em tamanho, gatos podem ser criados em apartamentos pequenos ou mansões sem grandes dificuldades. Tudo isso, aliado a um estilo de vida dinâmico e agitado dos dias de hoje, faz com que o gato venha ganhando cada vez mais espaço na vida dos brasileiros.

Ter um gato em casa, porém, exige uma série de cuidados e algumas mudanças e ajustes na rotina de casa. Afinal, ele pode até ser pequeno, mas exige uma atenção imensa. Felizmente, tudo compensa quando olhamos para aquela carinha fofa e carinhosa. Neste artigo, elencamos algumas dicas importantes para você que já tem ou está pensando em ter um gatinho (ou mais de um) em casa.

Preparando o ambiente

Sete Gatos em 50m²: Salas de estar modernas por Fábrica Arquitetura
Fábrica Arquitetura

Sete Gatos em 50m²

Fábrica Arquitetura

Gatos são animais facilmente domesticáveis. Basta algumas medidas simples e eficazes para que a sua experiência com os felinos seja a mais positiva possível. Existem algumas medidas que devem ser tomadas antes que o seu gatinho pise em casa. Primeiro, compre uma cama simples ou um iglu para ele. Nestes primeiros dias, este será o seu local de descanso e repouso. Escolha pratos de comida e de água que atendam às necessidades do gato. Gatos preferem a comida em pratos rasos, para que seus bigodes não encostem na borda. Não se esqueça da caixinha de areia, que também deve ser adaptada de acordo com o tamanho do bichano. Por instinto, gatos acostumam-se a fazer suas necessidades na caixa de areia sem que seja preciso insistir muito. De acordo com o seu espaço, esta é a hora de decidir se o seu gato será um gato de apartamento ou um gato semi-livre. Esta é uma das decisões mais importantes que se deve ter em relação ao seu bichinho, como veremos a seguir.

Gatos caseiros

Poucas pessoas sabem, mas até pouco mais de 50 anos, era comum que os gatos vivessem na rua – estando a mercê da ameaça de outros felinos, roubos e atropelamentos. Com a invenção do granulado sanitário e com medidas simples como a castração, tornou-se mais fácil manter gatos em casa ou em ambientes fechados – o que foi fundamental para o crescimento do número de gatos domésticos. Para quem mora em apartamentos ou casas sem acesso direto à rua, é importante deixar, pelo menos, acesso a jardins, janelas ou varandas (sempre com tela) para que o gato possa passear e espairecer um pouco. Gatos caseiros, obviamente, necessitam de um pouco mais de atenção do que gatos criados ao ar livre, mas isso, longe de uma obrigação, é uma satisfação para qualquer gateiro que se preze

Gatos semi-livres

Para quem mora em uma casa com acesso direto à rua, ou com um grande jardim, é quase impossível manter um gato em casa. Se fosse possível escolher, gatos passariam o dia inteiro deitados na grama tomando sol, patrulhando o espaço ou caçando presas como ratos e insetos. Por isso, algumas recomendações são importantes na hora de estabelecer essa dinâmica com o felino. É importante treinar o gato para que ele sempre volte ao ser chamado. Se possível, identifique-o, seja com uma pequena coleira ou com microchips de identificação fornecidos por veterinários. E, o mais importante, faça com que seu gato sempre volte para casa antes do anoitecer. Para facilitar a movimentação do gato entre a casa e o jardim, pense em instalar uma portinhola em um dos ambientes. Isso simplifica a sua vida e favorece a movimentação livre do felino.

Cuidado com a mobília

Para um gato, o ato de arranhar é tão comum quanto qualquer outro, seja passear pela casa quanto dormir. Arranhar é como um exercício para eles, pois afia as unhas, alonga os músculos e exercita as garras. Por meio do arranhar, gatos ainda delimitam territórios com o aroma e marcas visíveis para outros gatos. Ou seja, não há como impedir que seu gato eventualmente coloque suas unhas em seu sofá ou sua cama ou seu tapete. Mas há maneiras de reduzir este prejuízo certo. Se você não quer ver o seu sofá estiloso e sofisticado soltando espuma, uma das soluções mais eficientes é comprar um arranhador, que pode ser encontrado em qualquer pet shop. Uma boa sacada é espalhar alguns arranhadores pela casa, principalmente nos locais em que ele mais gosta de ficar. Esfregar um pouco de catnip – a chamada erva do gato – nos arranhadores faz com que ele se acostume ainda mais rápido a estes acessórios.

Jardim para gatos

MORAR MAIS POR MENOS - VARANDA : Terraços  por Bender Arquitetura
Bender Arquitetura

MORAR MAIS POR MENOS – VARANDA

Bender Arquitetura

Sejam gatos caseiros ou semi-livres, o fato é que estes felinos adoram ficar cheirando plantas e flores. Por isso, é importante ter um espaço verde em sua residência. Faz bem para você e faz bem para o seu gato. É, preciso, entretanto, tomar alguns cuidados para que o seu gato tenha a melhor experiência possível. Vale a pena investir em prateleiras ou postes de madeira para que eles possam subir e observar o ambiente de cima! Invista principalmente em canteiros e vasos pesados – como neste projeto da Bender Arquitetura -, para que o gato não pense em usar a terra como banheiro ou simplesmente fique brincando com ela, deixando buracos e sujeira no jardim. Se for o caso, coloque telas sobre a terra para evitar qualquer incidente. Cuidado com as árvores altas, pois o gato pode tanto ficar preso como encontrar uma saída indesejada para a rua.

Higiene

Gatos são animais naturalmente higiênicos e limpinhos. Em média, os gatos passam 10% do tempo em que estão acordados se limpando. O uso constante das caixinhas de areia também garantem a limpeza do ambiente.Para quem mora em apartamentos, uma dica é deixar a caixa de areia na área de serviço, preferencialmente afastada da cozinha.

Gatos perdem muito pelo, dependendo da raça. Por isso, o ideal é que o dono do gato possa escová-lo regularmente, seja com uma escova fina ou uma escova de borracha, para retirar o excesso de pelos, que tendem a se espalhar pela casa. Para quem tem tempo e curte a tarefa, outra opção é dar banhos regulares no gato – em casa -, a cada um ou dois meses. Muitos gatos não aceitam isso de forma pacífica, por isso devem ser acostumados desde cedo com essa rotina.

Onde dormir

Como dissemos no começo deste artigo, um novo gato em casa deve ser acostumado a dormir numa cama simples ou num iglu. Gatos, porém, não fazem exatamente o que a gente quer, e logo saem para escolher outros lugares onde se aninhar. Um gato adulto costuma dormir cerca de 18 a 20 horas por dia, ou seja, essa é a sua prioridade na vida! Pode ser um sofá, uma almofada, uma caixa ou uma cadeira. Gatos gostam de se sentir acolhidos, por isso preferem ficar perto dos seres humanos, muitas vezes dormindo junto com a família ao longo da noite. Uma boa dica é estabelecer alguns locais que sejam irresistíveis para os felinos, como prateleiras ou almofadas em locais mais altos. Mas, no fundo, ele é quem vai escolher onde ficar.

Aumentando a família

Sete Gatos em 50m²: Cozinhas modernas por Fábrica Arquitetura
Fábrica Arquitetura

Sete Gatos em 50m²

Fábrica Arquitetura

Muitas pessoas se contentam com apenas um gato em casa. Por outro lado, há aqueles que são adeptos da filosofia do quanto mais, melhor. Trazer novos gatos para casa, entretanto, exige uma boa dose de estratégia, já que o gato antigo não gosta muito da ideia de compartilhar território. Por isso, ao inserir um novo gato no ambiente, não force a barra. Deixe que o relacionamento entre eles aconteça naturalmente, com o gato que já é residente se acostumando aos poucos com a presença do novo companheiro. Neste período de adaptação, é comum que o gato da casa se sinta um pouco incomodado e transmita isso em seu comportamento. Isso, porém, é passageiro. Muitos preferem já começar a família com dois ou três gatos. Neste caso, todo o processo de acomodação ocorre de forma ainda mais simples e natural.

O que achou de nossas dicas?
Casas modernas por Casas inHAUS

Precisa de ajuda para projetar a sua casa? Entre em contato!

Encontre inspiração para sua casa!